Cortina sensorial: ciranda de cores

bambole-fitas-sensorial6

Algumas brincadeiras nem sempre saem como imaginamos, o que não significa que deixam de ser divertidas! Foi o que aconteceu no nosso último passeio. Marcamos um picnic em um parque que ainda não conhecíamos, nessa aventura que tem sido explorar novas praças e parques durante o verão. Na mochila algumas comidinhas, água fresca, uma toalha para estender na grama e duas atividades: bambolês com fitas e balanço de pano.

Semanas atrás resolvemos testar atividades usando as fitas que sobraram do Natal. Foi quando criamos uma cortina sensorial, amarrando todas elas ao redor de um bambolê. Mesmo sem conseguir completar a volta toda, a brincadeira fez um sucesso enorme com os nossos meninos. Decidimos então investir e comprar mais fitas, completando o bambolê e criando uma linda ciranda colorida. Ficamos apaixonadas pelo resultado!

Eis que com dois bambolês nas mãos e acompanhados dos amigos Bia e Raul partimos para explorar o novo parque, à procura de uma área para sentar, comer e brincar. Pelo caminho encontramos cachorros grandes e pequenos e a cada encontro era uma brincadeira. Depois foi a vez do carro da polícia, onde todos subiram curiosos. No parquinho com areia os brinquedos foram devidamente escalados e balançados. Sem falar na curiosidade das outras crianças ao ver aquela ciranda de fitas! Por várias vezes paramos para mostrar para desconhecidos o movimento da nossa cortina colorida. Caminhadas e corridinhas depois, finalmente chegamos em uma área com grama e sombra. Ufa! Depois de tanta atividade chegou a hora de estender a toalha e comer um pouquinho.

Barriguinhas cheias e então começamos a balançar os bambolês na tentativa de convidá-los para a brincadeira. E, para a nossa surpresa, ninguém deu bola. Nem mesmo o Raul, o menorzinho da turma, que estava mais interessado em cavar a terra com as mãos. Gael, Bia e Antonio preferiram explorar um pouquinho mais o espaço, cada um a sua maneira e para um lado diferente, subindo escadas, escalando, olhando formigas ou procurando galhos. Foi então que apareceram os macacos! Sim, até macacos nos visitaram e encantaram as crianças!  Com tanto estimulo, resolvemos guardar os bambolês.

Tá, mas onde entra a atividade?

Passada a euforia com os macacos, Gael encontrou um bambolê encostado na árvore e resolveu pegar. Bia logo se interessou e quis brincar também. E ali, hora dividindo o mesmo bambolê, hora cada um com um, eles brincaram e exploraram de diversas maneiras. Passaram por debaixo correndo de um lado pro outro, arrastaram as fitas pelo chão, ergueram para que elas balançassem ao vento, entraram dentro do circulo, exploraram os nós, as cores, pediram para a mamãe erguer mais alto e balançar com força. E assim a brincadeira que achávamos que não iria funcionar naquele dia aconteceu da maneira mais espontânea possível.

Para nós ficou a grande lição de entender e respeitar o brincar livre, sem hora para acontecer e sem expectativas. Tem vezes que preparamos massinha caseira, areia perfumada, arroz colorido, colar de macarrão e as crianças não dão bola. E tudo bem! Respeitar o desejo dos pequenos sem ansiedade e surpreender-se com a espontaneidade das escolhas é uma das coisas mais bonitas que podemos presenciar. E mesmo o bambolê não sendo a principal atividade deles no parque, ela ajudou a deixar esse dia mais completo.

E o balanço de pano!? Fica para o próximo post. :)

Quer brincar com bambolês? Mais informações depois das fotos. 

bambole-fitas-sensorial4

bambole-fitas-sensorial5
Gael achou o bambolê esquecido e começou a brincadeira.

bambole-fitas-sensorial3

bambole-fitas-sensorial7
Bia não resistiu e quis participar também.
bambole-fitas-sensorial
Raul experimentou…
bambole-fitas-sensorial2
…mas achou mais graça em brincar com a terra, o que também é muito divertido! 

DICAS

    • Use fitas de cores e estampas variadas para brincadeira ficar mais divertida.
    • Você pode fazer cortinas menores usando uma pulseira ou um cabide.
    • Deixe o bambolê pendurando e entre também na brincadeira. Crianças pequenas adoram ver os adultos participando.
    • Para os mais velhos, o bambolê pode ser usado como cenário para brincadeiras de faz de conta.

     
    PRINCIPAIS ESTÍMULOS

      • Tato e visão. Passar por entre as fitas sentindo elas tocarem o rosto e o corpo e acompanhar o movimento ao balançar do bambolê são experiências deliciosas!
      • Coordenação motora. Rode o bambolê para que os menores acompanhem o movimento e tentem segurar as fitas. Para os maiores carregar e movimentar o bambolê de um lado para outro é um bom exercício.
      • Imaginação. É um lindo objeto para as brincadeiras de faz de conta, permitindo diversas interpretações.

       
      SEGURANÇA

        • Não use fitas longas demais para que as crianças não enrosquem partes do corpo e não tropecem ao carregar.
        • Evite fitas ásperas ou estruturadas com arame pois podem arranhar a criança durante a brincadeira.
        • Certifique-se de que os nós estão bem dados e não vão se soltar.
        • A atividade deve sempre ser acompanhada por um adulto, evitando acidentes. E fica ainda mais legal se você brincar também, manuseando o bambolê para que a criança acompanhe o movimento.

         
        PREPARO E BAGUNÇA

        • Preparo moderado. É preciso um pouco de paciência para amarrar as fitas uma a uma. Com objetos menores como argolas, pulseiras ou cabides é mais rápido e usa menos fitas.
        • Bagunça zero já que as fitas ficam amarradas.
  • maria

    Oi meninas! Adorei as idéias colocadas aqui, sou professoa na cidade de São José dos Campos SP e atualmente trabalho com alunosa dessa faixa de idade. Já uso algumas ideias colocadas por voces sem ter conhecido antes. Gostaria de compartilhar uma que eu faço com as crianças que eles adoram, é uma caixa cheia de embalagens com suas respectivas tampas, primeiro deixo que brinquem livremente e depois tiro as tampas e proponho que encontrem a tampa certa de cada embalagem e muito divertido ver a carinha de alegria ao realizar tal feito.Uso embalagens de: achocolatado, potes de maionese, amaciante e tudo que tiver uma tampa grande podendo ser de rosca ou apenas de encaixar e claro que zntes faço uma boa higienizada nas embalagens. Fica a fica e a partie de hoje sou seguidora de vocês. Um beijo!

    • Massacuca

      Olá Maria, obrigada pela dica! Nós adoramos esta troca, para nós é a parte mais gratificante do trabalho. Compartilhe sempre que quiser e espero que goste de nossas ideias!

  • Pingback: Estimulação sensorial do bebê – Na Pracinha()

  • Pingback: Como organizar um Bailinho de Carnaval em casa – Na pracinha()